Comemoração do Dia Nacional do Folclore Português

Comemoração oficial do
DIA NACIONAL DO FOLCLORE PORTUGUÊS
29 de Maio de 2016
Parque Maria Adelaide - Arcozelo – Vila Nova de Gaia
No dia 29 de Maio de 2016, vamos comemorar o Dia Nacional do Folclore Português, pela primeira vez oficialmente, conforme deliberação da Assembleia da República de 22 de Julho de 2015, por petição da Federação do Folclore Português.
Com esta comemoração pretende-se percorrer mais uma etapa, propondo a todos os folcloristas, um olhar atento, consciente e apaixonado sobre a IDENTIDADE do POVO PORTUGUÊS, conhecer, compreender e respeitar a diversidade das expressões culturais que constituem a herança Patrimonial Cultural Imaterial e Material do nosso Portugal, que desejamos preservar e salvaguardar, permitindo às novas gerações encontrar no presente, orgulho no passado e o desejo de lançar sementes novas, que produzam frutos para o futuro, de valorização e credibilização do Folclore Português.
Alicerçar o Futuro depende de todos que se deixaram apaixonar pelas suas terras, gentes e tradições.

A Federação do Folclore Português
Para saber mais sobre esta iniciativa, clique aqui.

Festas, Feiras e Romarias de antigamente

«A romaria da serra do Pilar é das mais concorridas. Fazem-se ali mercados e as raparigas do Porto e arrabaldes improvisam bailes em que também volteiam os soldados da fortaleza. A tradição conserva-se para as feiras e para o foliar naquele canto pitoresco da paisagem, onde há tantos anos se faz a romaria. Este ano, como de costume, foi enorme a concorrência, tendo-se feito excelentes negócios e magníficas transações
Inquestionavelmente, é a terra de Entre-Douro e Minho a que oferece aos olhos estáticos do turista as mais lindas e variadas paisagens portuguesas, e que procria a gente mais divertida, mais foliona, mais alegre de todos o país. Foi talvez observando os usos e costumes das povoações do Norte que os franceses engendraram esse velho e tão verdadeiro provérbio: «Les portugais sont toujour gais».
A feira de Santo António em Vinhais é das mais concorridas, pois de muitas léguas em redondo vem gente para as transações no excelente mercado. Com bailes e descantes decorrem as festas tradicionais em que se desafogam os espíritos e se fazem bons negócios.
As Festas de Nossa Senhora da Piedade, cujo dia principal é 8 de Setembro, são uma tradição antiga da vila de Odemira, mobilizando os odemirenses que assim prestam homenagem à padroeira da terra, cuja actual capela foi construída em princípios do século XX.
É no 3º Domingo de Setembro que se realiza, em Espinho, a Romaria de Nossa Senhora d’Ajuda. O culto e a devoção a Maria, Mãe de Deus, sob a invocação de Nossa Senhora d’Ajuda, segundo a tradição, terá nascido com a própria localidade.
«Não acaba a tradição. Por toda a província continuam as romarias com o mesmo cenário de sempre com as suas transações e os seus devotos. A do Senhor da Pedra fez-se como em todos os anos tendo uma enorme concorrência.»
«De 4 a 6 do corrente, com o máximo esplendor, realizou-se em Mirandela a festa à Senhora do Amparo; a procissão foi deveras imponente, não se faz nenhuma com mais brilho e grandeza na província de Trás-os-Montes. Houve arraial e lindas iluminações sobre o Tua
Nos finais do século XIX e começos do século XX, a romaria ao Senhor da Serra que se realizava na localidade de Belas, no concelho de Sintra, foi uma das mais afamadas e concorridas que então ocorriam nos arredores de Lisboa.

«A feira de Agualva foi pitoresca e chamou gente. Fazia-se negócio, ouvia-se ruído de vozes em disputa, os mendigos lamuriavam pelos caminhos onde os maiorais passavam conduzindo o gado. Ao fim a paisagem verdejante, a vida campestre em toda a sua plenitude, ranchadas que vinham de longe, canções que se perdiam nas quebradas
Perde-se nos tempos a origem das feiras enquanto local onde os povos efectuavam as suas transacções e adquiriam bens que necessitavam e não produziam em troca dos seus próprios produtos, dando origem a uma classe de mercadores que passaram a viver exclusivamente dessa actividade.

«As festas da Senhora dos Remédios em Lamego chamam muita concorrência das freguesias vizinhas que à sombra das árvores seculares faz os seus bailaricos e entoa os seus descantes em louvor da imagem e num culto tradicional. (...)»

XIX Jornadas Técnicas de Etnofolclore - Coimbra

A Associação de Folclore e Etnografia da Região do Mondego vai realizar no próximo dia 21 de novembro, a partir das 10h00, na Casa Municipal da Cultura de Coimbra, as XIX Jornadas Técnicas de Etnofolclore, integradas na comemoração do seu 30º aniversário.

A organização pretende que mais esta edição das Jornadas seja uma ação de formação e valorização para todos os participantes e ainda um alerta para a necessidade premente de uma melhor salvaguarda desse valioso património que os Grupos de Folclore recuperam na sua atividade de recolha.
Para o efeito, vai contar com a presença de alguns especialistas nacionais que abordarão as duas temáticas principais: a tradição oral enquanto património imaterial (os provérbios, os pregões e outras formas de linguajar) e a dança tradicional (seu significado e execução).

No final dos trabalhos, assistiremos a uma demonstração das diversas formas de linguajar realizado pelo GEDEPA, da Pampilhosa.
A Etnografia e o Folclore participam significativamente no debate sobre a cultura popular e a identidade nacional, na medida em que enfatizam a dimensão cultural e popular do processo da sua formação.

Estas Jornadas contam com o apoio de várias entidades locais e regionais e destinam-se aos elementos de grupos folclóricos e outras associações ligadas à cultura popular, estudiosos do folclore e etnografia e público em geral.
A participação pode ser feita mediante o preenchimento de uma ficha de inscrição e pagamento de 7,5€.

Programa
Dia 21 de novembro

10.00 – Abertura do secretariado
10.30 – Sessão solene de abertura

11.00 – Pausa para o café
11.15 – Fala para que eu te veja! O que nos dizem os provérbios? - Doutor Alexandre Parafita

11.45 – Pós p’ra bicharada! Os pregões e o património - Inspetor Lopes Pires
12.15 – Discussão dos temas apresentados - Moderadora: Mestre Sandra Lopes

13. 00 – Almoço livre
14.30 – Música e dança no contexto dos processos de folclorização: abordagem sumária - Doutor Avelino Correia

15.00 – Salvaguarda da dança tradicional - Doutora Marisa Barroso
15.30 – Dança popular: autenticidade, beleza e alegria na execução - Eng. José Teixeira

16.00 – Discussão dos temas apresentados – Moderador: Dr. Luís Madaleno
16.30 – Pausa para o café

16.45 – Tesouros do Povo – Pampilhosa e seu linguajarGEDEPA - Grupo Etnográfico de Defesa do Ambiente e Património | Pampilhosa - Mealhada

2.º Congresso da Associação CIOFF® Portugal


2.º Congresso da Associação CIOFF® Portugal
21 Novembro | Unidade Hoteleira INATEL Costa da Caparica

Interação Internacional dos Agentes do Folclore Português
eventos e participação

A Associação CIOFF® Portugal promove no dia 21 de novembro (sábado) o seu 2º Congresso, subordinado ao tema INTERAÇÃO INTERNACIONAL DOS AGENTES DO FOLCLORE PORTUGUÊS – EVENTOS E PARTICIPAÇÃO, com o objetivo de abrir o diálogo entre promotores de Festivais CIOFF® em Portugal (diretores de festivais, associações culturais locais, autarquias e direções regionais), grupos que participam ou pretendem participar em festivais internacionais de folclore CIOFF® no estrangeiro e os diversos agentes, técnicos e estudiosos responsáveis por intervenções nas áreas da cultura e salvaguarda do património imaterial, do desenvolvimento regional e turístico e da organização de eventos culturais de caráter festivo e participado.
A atratividade dos festivais internacionais de folclore enquanto polos dinamizadores do turismo e da economia regional, a importância das parcerias estratégicas com autarquias e os fatores de identidade e de manutenção das relações sociais inerentes à organização destes eventos são alguns dos temas a abordar no Congresso, que será assinalado pelo 45.º aniversário de atividade do CIOFF® como rede de trabalho internacional.

INSCREVE-TE!
Local: Unidade Hoteleira INATEL Caparica

Organização: Associação CIOFF Portugal
Destinatários: Grupos de folclore participantes ou com intenção de participar em Festivais CIOFF® no estrangeiro; diretores de festivais CIOFF® e de festivais nacionais e internacionais de folclore e de artes tradicionais; Dirigentes e técnicos autárquicos; Técnicos na área do turismo; Direcções regionais da cultura.

Inscrição: €3,00 | Isenção para Membros da Associação CIOFF® Portugal (Efetivos: até 2 elementos; Associados: até 1 elemento)
Para mais informações e inscrições: cioff-portugal@cioff.org | 210 027 150 | www.cioff-portugal.pt

Em Valença: O Mundo a Dançar


Em Valença: O Mundo a Dançar - Grupo da Rússia
No próximo dia 8 de Agosto, Sábado, no Jardim Municipal, Valença recebe o espetáculo “O Mundo a Dançar – Festival Internacional de Folclore”, no qual Grupos da China, Geórgia, México e Rússia, estarão em palco para um espetáculo único de dança, música e cor. Esta iniciativa, organizada pela Câmara Municipal, decorre no âmbito do Festival FolkMonção.

Esta é uma oportunidade para apreciar grupos de grande qualidade artística, representativos dos vários cantos do mundo que, ano após ano, tem encantado e fidelizado um número crescente de público em Valença.

Da China, da cidade de Hebei, vem o Grupo de Dança da Universidade de Tecnologia de Hebei, que executará danças folclóricas nacionais, danças clássicas e danças modernas. Os seus bailarinos apresentarão o traje nacional chinês colorido, um traje étnico.

Da Geórgia, da cidade de Gori, vem o Folk Dance Ensemble Shavlego. O grupo apresentará um conjunto de danças e músicas de todo o país para mostrar e preservar a sua antiga cultura e tradição.

Do México, da cidade do México, vem a Compañia Nacional Danza Folklórica. O colorido único, as danças e cantares tão emblemáticas e acarinhadas deste pais serão dadas a conhecer em Valença.

Da Rússia, da cidade de Arkhangelsk, vem o Exemplary Choreographic Ensemble Druzhba. O grupo apresentará as típicas danças russas e principalmente da sua região.

Estão todos convidados a assistir a um espectáculo com danças folclóricas de vários países do mundo!

Fim de Tarde com Folclore - Vila Nova de Cerveira


Fim de Tarde com Folclore - Vila Nova de Cerveira
No próximo sábado, dia 8 de Agosto, pelas 18h00, no Terreiro de Vila Nova de Cerveira, vai realizar-se um “Fim de Tarde com Folclore”. De acesso livre, esta iniciativa é organizada pela Câmara Municipal e conta com a participação do Rancho Folclórico “Dança na Eira” de Newark (Estado Unidos da América) e o Rancho Folclórico Infantil de Gondarém, de Vila Nova de Cerveira.

Vai ser um verdadeiro momento de louvor aos valores etnográficos e tradicionais interpretados por gentes que recordam a terra – emigrantes em Newark - e por gentes que vivem na terra – comunidade de Gondarém. Este ‘Fim de Tarde de Folclore’ promove a defesa do património cultural e a salvaguarda de uma memória coletiva que rompe fronteiras e distâncias. Através das danças e dos cantares, dos trajes e dos usos e costumes, este convívio folclórico além-fronteiras homenageia os emigrantes alto-minhotos que não esquecem o amor à terra que os viu nascer, continuando a prestar um apoio notório e significativo nas mais variadas áreas.

Criado em 2008, o Rancho Folclórico “Dança na Eira”, de Newark – cidade norte-americana que acolhe um grande número de cerveirenses -, é um exemplo de preservação e promoção das tradições e nome de Cerveira. Integrado na Fundação Bernardino Coutinho, o grupo composto por 90 elementos tem duas vertentes, infanto-juvenil e adulta, sendo dirigido por Denis Cavadas. Os seus trajes femininos adultos, onde dominam o preto e o roxo, espelham a beleza das mordomas de Santa Marta de Portuzelo (Viana do Castelo - Minho); já os das dançarinas mais pequenas fazem alusão às tradições festivas que simbolizam a zona também minhota de Arcos de Valdevez. Os elementos masculinos vão buscar inspiração, em termos de vestuário, ao traje tradicionalmente domingueiro da mesma zona de Portugal.

Por sua vez, e procurando incutir as tradições nas novas gerações, o Rancho Folclórico Infantil de Gondarém é fruto de um projeto educativo, elaborado no ano letivo 2000/2001, em parceria com a Autarquia e a Comunidade Educativa, criando assim sua secção infantil “Rancho Folclórico Infantil de Gondarém”. No dia 25 de Abril de 2001 foi constituída a Associação com a denominação de Rancho Folclórico Infantil de Gondarém. Com o crescimento das crianças e o surgimento de outras, este Rancho passou a Rancho Infantil e Juvenil, e tem atuado em festas e festivais de Norte a Sul do País e no estrangeiro.
Fonte: Gabinete de Comunicação e Imagem do Município de Vila Nova de Cerveira

Mosteiro de Sanfins de Friestas recebe Sanfins Medieval


No fim-de-semana de 10 e 1 de Julho, numa iniciativa que pretende dinamizar um dos mais emblemáticos mosteiros do Noroeste Peninsular, o Mosteiro de Sanfins, em Valença, recebe o Sanfins Medieval.

Esta vai ser mais uma jornada medieval, com ceia, visitas guiadas, serenatas, ateliers de pintura, canto e serenatas. Um programa que remete o visitante para a época medieval e um exemplar da arquitetura religiosa românica, classificado como monumento nacional.

Assim, na sexta-feira, 10 de Julho, as actividades começam às 18h00, com a abertura de uma exposição sobre a arquitetura do mosteiro, a cargo da Universidade do Minho, seguido da apresentação do livro “Mosteiro de Sanfins de Friestas”.

Ponto alto do evento vai ser a ceia medieval, com o celebre Anho à Sanfins, assado nos fornos de lenha, com arroz do pingo e outras iguarias da época, acompanhado dos bons vinhos da região. O Anho à Sanfins é criado em rebanhos, sobretudo, nas serranias do Faro, da Furna e de São Lourenço, nas mais puras pastagens da carqueja, do rosmaninho e do tojo bravo que dotam esta carne de um sabor inigualável. Uma ceia animada com a Tuna da Universidade do Minho.

Do programa para sábado, 11 de julho, consta um atelier de pintura e exposição, a partir das 16h00. Para as 19h está agendada uma visita guiada ao conjunto arquitetónico do Mosteiro que terminará com a voz da soprano Silvia Pinto. Da jornada de sábado destaca-se ainda a ceia e a serenata a cargo do grupo Luar do Minho.

Sanfins Medieval encerrará com o ritual da Queimada Galega, onde não faltará o “Conxuro” da Queimada.

Sanfins Medieval é um evento que marca e projeta o Mosteiro de Sanfins. Este é um dos monumentos mais emblemáticos de Valença que a Câmara Municipal tem tentado dinamizar, com a limpeza da área da cerca da quinta, reflorestação com espécies autóctones, organização de visitas guiadas e de um conjunto de eventos, sobretudo para os mais jovens, ao longo do ano.

A iniciativa é da Associação Cultural e Artística Luar do Minho e conta com o apoio da Câmara Municipal de Valença.

A participação na ceia implica uma pré-inscrição para o nº 965405545
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...