FESTADA - Festival na Terra do Bacalhau (Valença)


Valença, lá bem no Norte de Portugal, junto à fronteira com a Galiza (Espanha) recebe, entre os dias 31 de julho e 3 de agosto, a FESTADA – Festival do Bacalhau, com restaurantes, animação de rua, concertos e gastronomia ao vivo, na avenida da Estação.

Este festival pretende ser uma experiência única para os amantes do bacalhau e a oportunidade de saborear, o “fiel amigo” de múltiplas formas por gente que sabe: crepes de bacalhau, filhós de bacalhau com cerveja, tapas de bacalhau, pão com bacalhau, empadas e bolas de bacalhau, línguas de bacalhau, conservas de bacalhau e tantas outras formas de saborear este produto em Valença.

Para o Presidente da Câmara Municipal, Jorge Mendes “O bacalhau é um prato emblemático de Portugal, mas é em Valença que ele ganhou uma fama e um prestigio singular, tendo vários restaurantes especializados, alguns dedicados praticamente em exclusivo a este produto”.

O Bacalhau em Valença é Rei! Capital do bacalhau, diariamente, é o prato servido em mais de 60 restaurantes localmente especializados nesta iguaria. Bacalhau em tapas ou servido de mil maneiras, tem em Valença um destino de eleição.

Para além dos pratos de bacalhau os vinhos verdes da região, a doçaria tradicional e tantos outros produtos locais completam o certame.

Esta é, também, a oportunidade para descobrir os segredos do bacalhau e aprender a inovar nos showcookings programados, com os chefes Vasco Pombo, Margarida Bessa Rego, Raquel & Luís Bezerra. Os mais mais novos, também, terão a sua oportunidade com um showcooking para crianças.

Charanga “Cantos Somos”, “Brother Soul”, “Sopro de Cordas de Outeiro”, “Bombos com Alma”, bem como um conjunto de dj´s proporcionarão tardes e noites muito animadas.

Festas do concelho de Paredes de Coura 2014


Domingo - dia 3

22:00 - “O Mundo a Dançar” - Festival Internacional de Folclore (Org. FolkMonção)

Quarta-feira - dia 6 (Festa do Emigrante)

 21:30 - Atuação do Grupo de Cantigas” Ré Maior “- Mozelos

 23:00 - Atuação do Grupo Musical “ Kalhambeke”- Paredes de Coura (Largo Hintze Ribeiro)

Quinta-feira - dia 7

21:00 - Atuação do “Grupo folclórico da Casa do Minho do Rio de Janeiro- Brasil”

22:00 - Atuação do Grupo de Cantigas da ACRD de Padornelo (Largo Hintze Ribeiro)

 Sexta-feira  - dia 8

 08:45 - Salva de morteiros

 09:00 - Arruada pelos Grupos de Bombos e Zés P´reiras de Paredes de Coura:

• Figueiras na Rua - Rubiães

• Amigos da Música – Coura (São Martinho)

• Amigos da Farra - Padornelo

12:00 - Concentração dos Grupos de Bombos (Largo Visconde de Mozelos)

19:00 - Despedida dos Grupos de Bombos (Largo Visconde de Mozelos)

22:00 - Atuação do Grupo “Cantares do Campo”- Formariz (Largo Hintze Ribeiro)

22:30 - Atuação do Grupo Musical “Junior´s” (Largo 5 de Outubro)

Sábado - dia 9

08:45 - Salva de morteiros

09:00 - Entrada dos Grupos de Bombos e Zés P´reiras de Paredes de Coura:

• Figueiras na Rua - Rubiães

• Amigos da Música – Coura (São Martinho)

• Amigos da Farra - Padornelo

12:00 - Ribombar dos Grupos de Bombos (Largo Visconde de Mozelos)

14:30 - Entrada da Bandas de Música que atuarão no Largo Visconde de Mozelos até à 01:00

• Banda de Música 12 de Abril

• Banda de Música da Carregosa

16:00 - Cortejo Etnográfico

19:00 - Missa vespertina com sermão a Santo António (Igreja Matriz)

21:30 - Atuação das Bandas de Música

22:30 - Atuação do Grupo Musical “ Setor Público” (Largo 5 de Outubro)

00:30 - Despedida das Bandas de Música (Largo Visconde de Mozelos)

01:00 - Fogo-de-artifício
 

Domingo - dia 10 (FeriadoMunicipal)

Festas do Concelho em Celorico de Basto aguardam milhares de pessoas


Cartaz das Festas de São Tiago - Celorico de Basto
As festas do concelho em honra de S. Tiago iniciam em Celorico de Basto no dia 24 e terminam a 27 de julho. As festividades decorrem por vários pontos da Vila com destaque para o cortejo etnográfico.

As festividades começam na quinta-feira, véspera de feriado, com enfase para atuação do grupo “Clubedemusica.com” e convidados. No feriado, destaque para a missa em honra do padroeiro das Festas do Concelho, S. Tiago, que terá lugar na Capela de Nossa Senhora da Conceição. Neste dia a animação será permanente com uma aula de zumba, uma iniciativa designada de “Zumba Solidária”, as arruadas e despique de bombos, a atuação banda “Corre Amor e Para” e “Rapariga Eléctrica”. No sábado o destaque incidirá na banda “Os Azeitonas” e a banda “Rosinha”. Neste dia todos os presentes poderão assistir à majestosa sessão de fogo-de-artifício.

No domingo, o grande destaque incidirá no Cortejo Etnográfico, com centenas de participantes, de todas as freguesias do concelho, com os tradicionais carros meticulosamente decorados com os usos e costumes de cada terra. Neste dia, os amantes do desporto poderão participar na “Caminhada pelo Castelo”. É também destaque a “Merenda de S. Tiago” após o término do cortejo e no fim da noite, e para encerrar as festividades, destaque para o tradicional festival de folclore.

As festas do concelho contemplam atividades diversas que irão decorrer pelas ruas da vila de Celorico de Basto ao longo dos quatro dias de festividades. Como habitualmente destacamos o cortejo etnográfico como ponto alto pela participação ativa das gentes de todos os pontos do concelho que nos trazem usos e costumes que identificam esta região. Como é tradição contamos com centenas de participantes e milhares de pessoas a assistir”, destacou o presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva.
Clique aqui para ver o cartaz em tamanho grande.

Rancho Folclórico Barqueiros do Douro realizou Festival de Folclore


Rancho Folclórico Barqueiros do Douro realizou Festival de Folclore
A Avenida Conselheiro Alpoim, em Mesão Frio, voltou a ser palco para o Festival de Folclore, organizado habitualmente duas vezes por ano, pelos dois Ranchos Folclóricos do concelho. Esta foi a vez do Rancho Folclórico de Barqueiros do Douro levar a cabo uma nova edição que se realizou no dia 19 de julho e que contou com o apoio da Junta de freguesia de Barqueiros, da Câmara Municipal e da Adega Cooperativa de Mesão Frio. Três grupos de folclore integraram esta festa popular que tem vindo a ser realizada desde há vários anos.

Rancho Folclórico Barqueiros do Douro realizou Festival de Folclore
Pelas 18 horas, os grupos participantes foram recebidos pela organização, seguindo-se um jantar convívio. Cerca das 21 horas, desfilaram com todos os grupos pelas principais ruas de Mesão Frio, antecedendo as respetivas atuações. Às 21h30, subiram ao palco o anfitrião Rancho Folclórico Barqueiros do Douro, o Rancho Folclórico do Passil (Alcochete) e o Rancho Folclórico de São Mamede de Negrelos (Santo Tirso) para divulgar um pouco das suas tradições culturais, através da música, da dança e dos trajes. Os grupos atuaram perante os olhares atentos de centenas de pessoas que continuam a valorizar as suas raízes populares.

Rancho Folclórico Barqueiros do Douro realizou Festival de Folclore
Nuno Lemos, presidente do Rancho Folclórico Barqueiros do Douro, agradeceu a presença dos grupos intervenientes e de todo o público, estendendo um agradecimento a todas as entidades que apoiaram a realização do evento. Para a entrega de lembranças aos grupos participantes no festival, subiram também ao palco o presidente da Câmara Municipal de Mesão Frio, Alberto Pereira, o vice-presidente Paulo Silva e o presidente da Junta de Freguesia de Barqueiros, José Branco.

O evento teve como objetivo divulgar e consolidar costumes locais do concelho e das diferentes regiões que visitaram Mesão Frio, estimulando o gosto pelo Folclore. O Rancho Folclórico de Barqueiros do Douro surgiu na freguesia de Barqueiros, concelho de Mesão Frio, tendo sido sempre apoiado nas riquezas culturais e patrimoniais da região e, desde então, procura propagar, dentro e fora do país as danças, os cantares e as tradições concelhias.

Festival Itinerante da Cultura Tradicional - L BURRO I L GUEITEIRO


L BURRO I L GUEITEIRO - Festival Itinerante da Cultura Tradicional
L BURRO I L GUEITEIRO - Festival Itinerante da Cultura Tradicional
De 23 a 27 de Julho
Aldeia da Granja, Fonte Ladrão, Palaçoulo e Prado Gatão
Concelho de Miranda do Douro


O Festival Itinerante de Cultura Tradicional L Burro i L Gueiteiro caracteriza-se por ter uma dupla missão: mostrar o melhor do Planalto Mirandês e quebrar, ao mesmo tempo, o estereótipo de uma cultura parada no tempo. Bem pelo contrário, acreditamos que está em constante transformação e que temos, por isso mesmo, a responsabilidade de contribuir com actividades criativas e de qualidade que a estimulem. Isso significa trazer pedaços de outras culturas, mas também repensar o contacto com o que é de cá, e que continuamos a privilegiar.

O L Burro i L Gueiteiro é então um festival que pretende, acima de tudo, dar a conhecer a riqueza e diversidade do Planalto: das paisagens aos saberes, dos campos às aldeias, dos burros aos gaiteiros, tendo presente que tradição e inovação não se opõem – constroem-se mutuamente; e que, por essa razão, não é só o festival que é itinerante, mas também a cultura que viaja com ele.

É um evento a pensar em todos - miúdos e graúdos – os que gostam de caminhadas por percursos bonitos, de refeições apetitosas, de sestas burriqueiras, de oficinas instrutivas, de boa música e de muita festa. Por tudo isto, é ainda um festival familiar e relaxado, como se de um longo e preguiçoso Domingo em família, entre burros e ao som da gaita-de-fole se tratasse.

Relaxe, Passeie, Descanse, Divirta-se – sempre com calma, sem pressas. Entre no espírito do festival e venha BURRICAR COM VAGAR!

PROGRAMA

Quarta-feira, 23 de Julho de 2014
Aldeia da Granja

Das 18h00 às 23h00   - Abertura da 12ª Edição “L Burro I L Gueiteiro”
Inscrições/recepção dos participantes
Actuação do grupo de Pauliteiros da aldeia da Granja – a confirmar

Quinta-feira, 24 de Julho de 2014
Aldeia da Granja 

10h00 - Caminhada na companhia do Burro de Miranda na envolvência da aldeia da Granja
13h00 - Piquenique no lameiro
15h00 - Sesta burriqueira
16h00 - Regresso à aldeia da Granja: Caminhada na companhia do Burro de Miranda
18h00 - Oficina de cantos da terra - Sofia Portugal - Escola de Música Tradicional do CCRAM
1
20h00 - Jantar na aldeia da Granja
21h30 - Peça de Teatro "L Tamborileiro de la Pruoba" - Grupo de Teatro da Lérias (Lérias Associação Cultural)

Concertos
Luís António Pedraza
Saracotelho – Professores da Escola de Música Tradicional do CCRAM1


Sexta-feira, 25 de Julho de 2014
Da aldeia da Granja à aldeia de Palaçoulo

10h00  - Caminhada na companhia do Burro de Miranda, da aldeia da Granja até à aldeia de Fonte Ladrão
13h00 - Piquenique no lameiro

15h00
- Sesta Burriqueira
16h00 - Continuação da caminhada na companhia do Burro de Miranda até à aldeia de Palaçoulo
20h00 - Jantar na aldeia de Palaçoulo
21h30 - Sessão de contos com o "Pior Contador de Histórias do Mundo", Rodolfo Castro
Concertos - João Gentil | Las Çarandas


Sábado, 26 de Julho de 2014
Aldeia de Palaçoulo
10h30 - Visita às indústrias e artesãos de Palaçoulo: tanoaria e cutelaria
Artesãos:
1. - Navalhas Irmãos Pires, Lda. - Facas Artesanais, machadas, canivetes, punhais, cutelos
2. - Francisco Cangueiro& Elsa Cangueiro - Talha em Madeira e Chifre, cutelaria tradicional
3. - José da Cruz Pêra Macias - Cutelaria tradicional
Indústria: 
1. - José Maria Martins, Cutelaria Tradicional de Palaçoulo Lda.- Facas, talheres, navalhas para brindes, artigos de churrasco
2. - Fábrica de Cutelarias Filmam Lda - Navalhas, facas, talheres, conjuntos de trinchar, de cozinha e de facas, cutelos, afiador de facas, tenaz, saca rolhas, …
3. - J.M.Gonçalves - Tanoaria, Lda
4. - Tacopal - Tanoaria e construção civil de Palaçoulo, Lda

13h00 - Almoço na aldeia de Palaçoulo
15h00 - Sesta Burriqueira
15h30 - Actividades na aldeia
- Oficina de percussão tradicional (Associação P. E. D. Gaita-de-Foles e Escola de Música Tradicional do CCRAM1)
- Introdução à Flauta Pastoril de 3 buracos (Luís António Pedraza - inscrição 5€)
- Oficina de Gaita-de-Fole (Víctor Felix e Mario Estanislau - Sons da Música, construtores de instrumentos musicais)
- Dança dos Pauliteiros – Pauliteiros Mirandeses de Palaçoulo (Caramonico – Associação para o Desenvolvimento integrado de Palaçoulo)
- Danças tradicionais Mirandesas (Suzana Ruano – Las Çarandas)
Oficina de Cusco(s) Transmontano (Associação Tarabelo)
- Oficina de construção de burros de cartão (Livraria Gatafunho)
- Percurso pedestre de interpretação da natureza (Paulo Pereira, biológo)
- Elaboração de uma farmácia caseira com base em plantas selvagens (Divulga Caminho - Associação Cultural)
- Identificação de aves do Planalto Mirandês (ATN - Associação da Transumância e Natureza)
- Curso de identificação de libélulas e libelinhas (Associação Tarabelo)
- Laboratório de natureza com observação de espécimes à lupa (Miguel Peixoto, biólogo)
- Cultivo de cogumelos – Repolga Pleurotus ostreatus - produção e inoculação de substratos à base de palha e composto de estrume de burro e pomba (Palombar – Associação para a conservação da natureza e património rural - inscrição 10€ - no final da oficina poderá levar o seu saco inoculado para casa (para posteriormente produzir cogumelos))
- Visita ao Centro de Valorização do Burro de Miranda (AEPGA - Associação para o Estudo e Protecção do Gado Asinino)

Cinantrop - Festival Internacional de Cinema Etnográfico em Ourém


O Município de Ourém recebe nos dias 19 e 20 de julho, o Cinantrop - Festival Internacional de Cinema Etnográfico. Este festival, com sessões a decorrer no Museu Municipal (Casa do Administrador e Torreão do Castelo, na Vila Medieval de Ourém), estimula a exibição pública de curtas-metragens originais e visa contribuir para a preservação e divulgação da identidade das comunidades, com vídeos de interesse etnográfico.

O Cinantrop chega a Ourém depois de passagens por Leiria e Lisboa e pretende promover temas relacionados com a identidade cultural do concelho. Serão exibidas curtas-metragens, em película ou vídeo, submetidas a concurso e avaliadas por um júri. As curtas-metragens apresentadas a concurso passam a fazer parte do arquivo audiovisual do município, possibilitando a sua utilização para fins educativos e de sensibilização sobre o património material e imaterial.

O programa do festival tem início ás 15h00 de sábado (19 de julho) na Casa do Administrador, com a exibição de várias curtas-metragens que viajam por Guiné-Bissau, Moçambique, Espanha, Sahara Ocidental e Brasil. Destaque para a estreia europeia de "A vida que a gente só ouve falar" de Júlia Tami e de documentários sobre o concelho:Pelos cantos de Ourém” (21h30), o retrato de um casal de agricultores residente em Lagoa do Furadouro com realização de Pedro Marques, Rui Gaspar e Telmo Soares e “Contra cena”, a visão de Marco Maurício sobre o mundo do teatro após acompanhar durante um ano o percurso de uma companhia amadora (Grupo de Teatro Apollo – Peras Ruivas, Ourém).
No domingo, a ação passa para o Torreão do Castelo de Ourém que recebe a partir das 15h00 uma curta-metragem passada em Angola e outras cinco sobre diferentes realidades portuguesas. O festival termina com outra exibição oureense: “Ser um Peorth” da autoria de Pedro Dias Reis.
 
 
PROGRAMA CINANTROP
Festival Internacional De Cinema Etnográfico
Ourém
 
SÁBADO
Casa do Administrador – Museu Municipal de Ourém
15h00 – “Kora”
Portugal/Guiné-Bissau, 70 min.
Realização: Jorge Carvalho
Na ficha de catalogação do Museu Nacional de Etnologia de Lisboa resume-se o invulgar objeto mas não se faz ouvir o seu som e toda a história, misticismo, querelas geográficas e percurso etnográfico de um dos mais importantes instrumentos musicais da África Ocidental. O kora é tão importante para esta região africana quanto desconhecido por nós, ocidentais. E enquanto um dos mais importantes repositórios destas culturas, a sua importância continua a ser transmitida pela oralidade, pela palavra do djidiu.
Motivo de orgulho de nações que nasceram de tribos sem fronteiras, existem discrepâncias sobre a origem deste instrumento, com os diferentes países a reclamarem-no como seu. Mas é durante o apogeu do Reino de Kaabú que muitas das lendas sobre a invenção do kora se cruzam. E Kansala, a cidade berço deste imponente reino, localizava-se numa área que atualmente pertence à Guiné-Bissau.
16h10 – “Uma vida mais simples”
Portugal/Moçambique, 39 min.
Realização: Inês Alves
Uma Vida Mais Simples é a vida de uma família em África contada a partir dos filmes em 8mm que o avô da realizadora fez em Moçambique e na África do Sul entre 1954 e 1978; enquanto as imagens passam, os avós recordam aqueles momentos e as muitas histórias que eles encerram.
17h00 – “Western Sahara”
Espanha/Sahara ocidental, 45 min.
Realização: Colectivo Left Hand Rotation
“Western: Sahara” documenta o processo de produção de um trabalho audiovisual participativo nos acampamentos de refugiados saharauis em Tinduf (Argélia). Partindo da elaboração de um trailer como peça de difusão mediática, os participantes imaginam um filme western sobre a criação do estado saharaui.

Entre Margens – Encontro de Tocadores, em Caminha


Música tradicional, saberes e sabores típicos, oficinas de instrumentos musicais e animação das duas margens do Rio Minho são algumas das propostas que Caminha tem para oferecer de 17 a 20 de julho

O Centro Histórico de Caminha prepara-se para acolher o Entre Margens – Encontro de Tocadores de 17 a 20 de julho. Quinta-feira, a partir das 19 horas, são muitas as propostas que este certame, que une as duas regiões da Ribeira Minho, tem para oferecer, com destaque para a música tradicional, saberes e sabores típicos, oficinas de instrumentos musicais e animação constante a cargo de mais de 20 grupos. O certame abre portas às 19 horas e a cerimónia de abertura vai decorrer às 22 horas, no Largo Calouste Gulbenkian.

O Entre Margens – Encontro de Tocadores é uma das novidades do cartaz de animação de Verão. O que se pretende é propor a quem o visita uma viagem pela ancestralidade dos sons, que ao longo dos tempos marcaram a cultura da região transfronteiriça da Ribeira Minho, com destaque para o instrumento musical e a música tradicional. Este certame vai juntar as artes, os sabores e os saberes.

Assim, durante quatro dias as escolhas são muitas. Gastronomia, através da degustação das iguarias da gastronomia Minho – Galiza, mostra de produtos tradicionais, mostra de luthiers (construtores de instrumentos tradicionais) animação, oficinas - encontro de tocadores, feira do livro, artesanato e exposições são as propostas deste certame das duas regiões da Ribeira Minho.

O certame vai também estender-se por todo o centro histórico de Caminha nomeadamente a Praça Conselheiro Silva Torres, os largos Calouste Gulbenkian, Fetal Carneiro e do Turismo, e as ruas D. Nuno Alvares Pereira, 16 de Setembro, Visconde Sousa Rego, de São João e Ricardo Joaquim de Sousa.

Um dos destaques do certame é a gastronomia a Mostra de Produtos Tradicionais vai incidir nas tradições, petiscos e tapas da Ribeira Minho. Aqui, vai ser possível degustar os mais variados sabores tradicionais da Ribeira Minho.

O espaço do artífice ou “Mostra de Luthiers” é outra das atrações do evento. As Arcadas dos Paços do Concelho vão transformar-se em verdadeiros espaços de artífices onde o visitante poderá visualizar “in loco” os construtores de instrumentos musicais tradicionais, bem como adquirir os instrumentos em exposição.

As oficinas - Encontro de Tocadores também dão mote a este certame que une as duas margens do Rio Minho. Na verdade, vão realizar-se oficinas de concertina, gaita de fole, percussão, cavaquinho & baraguesa, cantos polifónicos e danças do minho, com tocadores, cantoras, bailador com formação específica nas várias áreas. Estas oficinas vão decorrer no sábado e no domingo.

Os “zés pereiras” e as “treboadas galegas” vão ser alvo de duas palestras a cargo de Napoleão Ribeiro e Xerardo F. Santomé, respetivamente.

O programa de animação também promete. São mais de 20 os grupos de Portugal e da Galiza que vão passar pelos vários palcos e pelas ruas do centro histórico. Ainda no que respeita à animação destacam-se os concertos com a banda galega Riobó, com os Galandum Galundaina e com o grupo galego Lirolai e ainda as Jam Sessions e Baile ao Improviso.

Feira do livro patente no edifício da Câmara Municipal, Mostra de Artesanato na Rua 16 de Setembro e exposições de artes plásticas no Largo do Turismo também dão cor a este certame.

Recorda-se que o Entre Margens – Encontro de Tocadores é a 4 estrela do “verão 5 estrelas” que o Município tem para oferecer aos munícipes e visitantes esta época estival. A próxima estrela e última do mês de julho é a Feira Medieval de Caminha que vai decorrer de 23 a 27 de julho.

Este evento é organizado pela Câmara Municipal de Caminha e pela Junta de Freguesia de Caminha e Vilarelho e conta com parceria da Associação PédeXumbo e da Associação Coreto.
 
Veja o Programa>>>

Feirão em Andorra com gastronomia típica e cultura tradicional portuguesa

No passado dia 5 de Julho, a Praça Guillemó de Andorra la Vella, capital do Principado de Andorra, acolheu o primeiro mercado tradicional português ambientado em meados do século passado, vulgarmente conhecido como o Feirão.

O evento gastronómico e cultural contou com a colaboração do Comú (Câmara) de Andorra la Vella e foi transmitido em direto pela Rádio Ondas de Portugal, através da internet.

O Feirão iniciou-se às 11 horas e, em pouco mais de uma hora, os produtos mais apreciados pelos visitantes, como a broa de milho, o azeite, bolinhos de bacalhau ou os enchidos tinham esgotado, o brigando os organizadores a recorrerem ao reabastecimento.

A praça das Arcadas, como é conhecida no país, converteu-se, durante horas, numa feira portuguesa à “moda” antiga, distribuída em cinco zonas diferenciadas: produtos hortícolas colhidos nas hortas do Principado e oferecidos pelos elementos do Grupo, artesanato confecionado pelos elementos do Grupo, enchidos e pão típico, doces e pastelaria portuguesa, licores e vinhos que se puderam provar numa tasca onde se podia também saborear bolinhos e pataniscas de bacalhau, entre outras iguarias.

Para dinamizar o Feirão, foram convidados diferentes grupos portugueses no Principado, nomeadamente a Rusga dos Amigos da Radio Ondas de Portugal, o Grupo de Concertinas do Alto Minho e o Grupo de Cavaquinhos da Penya Encarnada, que, com as suas músicas tradicionais, proporcionaram momentos de convívio.

Às 16 horas, o Grupo de Folclore da Casa de Portugal foi o encarregado de finalizar o Feirão, apresentando danças do seu reportório e convidando, no final, todos os assistentes a dançarem o Vira Geral.

Um encontro de promoção da cultura tradicional e gastronómica em Andorra, que deixou os seus promotores muito satisfeitos pelo resultado obtido e que os motiva a continuarem a promover esta iniciativa no próximo ano.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...