Cantar ao Menino - Cantar as Janeiras - Cantar dos Reis


Cantar as Janeiras é uma tradição que consiste no cantar de músicas pelas ruas, por grupos de pessoas, anunciando o nascimento de Jesus e desejando um feliz Ano Novo. Esses grupos vão, de porta em porta, pedindo aos residentes as sobras das Festas Natalícias.

Tipicamente, ocorrem em Janeiro, começando no dia 1 e estendendo-se até ao dia 6, Dia de Reis ou Epifania. Hoje em dia, muitos grupos prolongam o Cantar de Janeiras durante todo o mês.

A tradição geral e mais acentuada é nos grupos folclóricos, que vão cantar de porta em porta pela vizinhança.

Terminada a canção numa casa, espera-se que os donos tragam as ofertas (chouriço, morcela, etc.).

No fim da caminhada, o grupo reúne-se e divide o resultado, ou então, comem todos juntos aquilo que receberam.

As músicas são, por norma, já conhecidas, embora a letra seja diferente em cada terra. São músicas simples, habitualmente à volta de quadras simples que louvam o Menino Jesus, Nossa Senhora, São José e os moradores que contribuíram.

Tipicamente, havia também algumas quadras insultuosas, reservadas para os moradores que não davam as ofertas que fazem parte da tradição.

O Cantar dos Reis é uma antiga tradição celebrada no dia de Reis. Grupos chamados de "reiseiros", agrupavam-se conforme a categoria profissional para as celebrações: viam-se troupes dos caixeiros, de limpadores de chaminés, de feirantes, de instrumentistas, de doutores, de moradores, e até de estrangeiros que invocavam os reis Magos. Durante a noite do dia 5 de Janeiro, estes grupos percorriam as ruas da cidade, dançando e tocando em procissões e cantavam às portas das casas.

Alargado o prazo de candidaturas ao EFFE Festival Label até 15 de Dezembro de 2014!


A plataforma EFFE - Europa para os Festivais, Festivais para a Europa, gostaria de agradecer a todos os festivais que se candidataram ao selo EFFE. Tivemos mais de 2.500 registos na plataforma e muitas candidaturas por toda a Europa. Estamos ansiosos por perceber a visão destes festivais, como se comprometem artisticamente, como envolvem as suas comunidades e qual a sua perspetiva europeia e mundial.

Foram imensas as candidaturas que recebemos até agora, no entanto, uma vez que o interesse nestes últimos dias para candidaturas tem sido imenso, e dado que se juntaram ao projeto novos pontos de contacto nacionais (Estónia, Polónia, Sérvia), decidimos alargar o prazo para as inscrições até ao dia 15 de Dezembro de 2014.

Foram muitos os festivais, desde pequenos a grandes, da música às artes digitais, de norte a sul da Europa que já se candidataram. No entanto, queremos que todos os festivais tenham oportunidade para se candidatar. Para os festivais que não tiveram conhecimento do projeto a tempo, terão agora mais algumas semanas para o fazer.

A candidatura é fácil e simples. Na primeira secção, deverá fornecer informações básicas sobre o seu festival. Após esta secção, encontrará o espaço onde se pretende que justifique o compromisso do seu festival com os valores fundamentais da plataforma EFFE: descrevendo como é que o seu festival contribui para o avanço da excelência artística, como é que ele envolve/integra a comunidade, e como se liga à dimensão Europeia e Mundial.

Esperamos que este tempo extra faça com que ainda mais festivais por toda a Europa  se juntem à rede, e tenham assim a oportunidade de obter o selo EFFE. Não se esqueçam que os destinatários do selo EFFE serão incluídos num guia interativo de alta visibilidade, proporcionando o acesso a todo um novo conjunto de público/espetadores europeus e internacionais.

FAG 2014 - Feira de Artesanato e Gastronomia de Vila Real


FAG - Feira de Artesanato e Gastronomia de Vila Real
Com a transmissão do programa Somos Portugal da TVI

De 28  a 30 de Novembro, as portas da NERVIR – Associação Empresarial, vão estar abertas para celebrar a décima sétima edição consecutiva, de uma das mais antigas, senão a mais antiga Feira de Artesanato e Gastronomia da região, organizada pela NERVIR e pela Câmara Municipal de Vila Real, e onde se pode apreciar o artesanato, do mais tradicional ao contemporâneo, assim como descobrir as mais diversas iguarias gastronómicas.

A FAG – Feira de Artesanato e Gastronomia do distrito de Vila Real, tem entrada gratuita para os visitantes e o Pavilhão de Exposições da NERVIR está já completo, apenas havendo lugares no exterior, pois foi grande a adesão de artesãos e de expositores com produtos gastronómicos.

Vão estar presentes artesãos com Joalharia, Pintura em Tecido, Artesanato em Burel, Tapeçarias e Malhas, Bordados manuais em linho, Olaria, Artesanato em pele, artigos em Cortiça, Cerâmica, Tecelagem, Bijuteria, trabalhos em Madeira, em Casca de ovo, em Escamas de peixe, e muitos outros artigos únicos e originais, feitos ao vivo e fruto da criatividade dos artesãos; e não podemos esquecer a gastronomia, com os Queijos, Vinhos, Enchidos e Licores, Fumeiro, Doçaria Conventual, Compotas, Geleias, Mel, Chás, etc.

No domingo dia 30 de novembro, teremos a transmissão do programa “Somos Portugal” da TVI, que ajudará a divulgar o artesanato e a gastronomia, assim como a própria Região.

Mas, visitar a FAG é também uma forma de privilegiar a economia regional, privilegiar as pequenas empresas, as empresas familiares, que vendem exclusivamente produto nacional e que, apesar da mudança de paradigmas, na economia, na educação e no desenvolvimento, continuam a preservar no tempo o que outrora constituiu, na economia e na mesa, a sua identidade.

De 28 a 30 de Novembro em Vila Real e com entrada livre, não perca a 17ª edição da FAG - Feira de Artesanato e Gastronomia. Não falte!

Pessoas relacionadas com o Folclore e a Etnografia da nossa terra - II

Nasceu em Castedo do Douro (Sabrosa), em 30-04-1931 e faleceu a 23 de Outubro de 2007.
Nasceu em Leça da Palmeira, 9.8.1893 - Faleceu em Vila Nova de Gaia, 20.1.1977. 
Nasceu em  Arcozelo, 23.07.1924 – faleceu em Arcozelo, 9.07.2011.
(1923-2005) - Natural do Funchal, engenheiro silvicultor de profissão.
(1910-1990). Etnólogo,  responsável pela renovação desta ciência em Portugal, era natural do Porto. 
 
Porto, 1908-1973 - Etnógrafo português, natural do Porto. 
Nasceu em Tomar a 17/12/1906. Compositor e musicólogo.
São Gens de Calvos, Póvoa de Lanhoso n. 1865 - Porto f. 28/07/1937. 
Nasceu em Vale de Lobos, em 1890. Faleceu em Lisboa no ano de 1977. 

Pessoas relacionadas com a Etnografia e o Folclore da nossa terra - I


Ao longo dos últimos quase 150 anos, muitas pessoas têm dedicado as suas vidas à investigação, à recolha, à preservação e à divulgação da Cultura Popular Portuguesa, nas suas diversas vertentes. A partir deste espaço pode ter acesso a informações biográficas e outras sobre aqueles(as) que, ao longo dos anos, assumiram, com espírito de missão, a defesa da Cultura Popular Portuguesa como uma tarefa inadiável e que urge continuar. Basta clicar no respectivo nome…

http://www.folclore-online.com/pessoas/abade_bacal.html
Francisco Manuel Alves
Nasceu em Bragança, a 9 de Abril de 1865 e faleceu a 13 de Novembro de 1947, em Bragança.
Altino Moreira Cardoso
Nasceu em 8.12.1941, na freguesia de Loureiro, concelho de Peso da Régua
 
António Aragão
Nasceu na ilha da Madeira, em S. Vicente, a 22 de Setembro de 1921. Faleceu no Funchal a 11 de Agosto de 2008.
 
António Gomes Pereira
Nasceu na Casa de Chapre, em Midões (Barcelos), em 30 de setembro de 1859 e faleceu na mesma Casa, no dia 6 de abril de 1913.
António da Rocha Peixoto
Nasceu a 18 de Maio de 1868, na Póvoa de Varzim. Faleceu a 2 de Maio de1909, no Porto.
António Joaquim Tavares Ferro
Nasceu em Lisboa, 17.08.1895 - ib., 11.11.1956
 
António Jorge Dias Nasceu no Porto, em 1907, e faleceu na mesma cidade, em 1973.
 
 
António Lourenço Fontes
Nasceu em Cambezes do Rio (Montalegre) em 22 de Fevereiro de 1940. Mentor e dinamizador dos Congressos de Medicina Popular em Vilar de Perdizes.
António Maria Mourinho
Nasceu em Sendim, Miranda do Douro, em 1917 e faleceu em 13 de Julho de 1996

1ª Mostra de Folclore Terras d’Além Tejo


Folclore do Alentejo mostra-se em Borba

Integrado na Festa da Vinha e do Vinho em Borba, terá lugar dia 9 de Novembro (Domingo), a 1ª Mostra de Folclore “ Terras d’Além Tejo”, resultado de uma parceria do Conselho Técnico Regional do Alentejo da Federação do Folclore Português e da Câmara Municipal de Borba.

As gentes de Borba e do Alentejo e todos os visitantes da Festa da Vinha e do Vinho poderão assistir a um espectáculo único onde todo o Alentejo estará representado de forma imponente e brilhante através dos grupos folclóricos participantes, que são fiéis embaixadores da cultura tradicional desta tão vasta região e, por tantos ainda, culturalmente desconhecida.

Folclore, Etnografia, Tradições, hábitos, usos e costumes das gentes alentejanas sobem, assim, ao palco em Borba, através da actuação de diversos grupos folclóricos do Alentejo, que irão mostrar ao país e ao mundo a diversidade e a autenticidade do folclore desta região.

Estão assim reunidas condições para uma Grande Mostra de Folclore, única na nossa região e para a qual estão todos convidados para esta tarde mágica de tradição e reviver de memórias e história do nosso povo alentejano.

O Litoral Alentejano estará representado nesta Mostra pelo Rancho Folclórico de Alcácer do Sal; a representação do “Cante Alentejano” vem do distrito de Beja, pelas vozes incomparáveis do Grupo Coral e Etnográfico Camponeses de Pias. Do distrito de Portalegre virá o Grupo Folclórico e Cultural da Boavista, e o distrito de Évora será representando pelo Rancho Folclórico Cravos e Rosas de Orada. Também do concelho de Portalegre vai estar presente o Rancho Folclórico de Fortios. A todos os grupos do Alentejo, juntar-se-á um grupo convidado de outra região do país, o Rancho das Lavradeiras da Trofa.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...