Oficina de Cusco(s) Transmontano

Nos próximos dias 28 e 29 de Junho, na aldeia de Fresulfe, concelho de Vinhais (Parque Natural de Montesinho), a Associação Tarabelo vai realizar uma nova actividade para celebrar a existência do CUSCO(S) tradicional transmontano!

O cusco(s) é um alimento que ainda hoje continua a produzido em algumas aldeias no concelho de Vinhais, a partir da variedade de trigo barbela. Esse produto alimentar terá provavelmente chegado ao nosso país através da influência magrebina e pelas práticas alimentares da comunidade judaica que encontrou, no passado, refúgio em território transmontano.

Este saboroso recurso gastronómico encerra histórias e saberes ancestrais, que pretendemos dar a conhecer a todos/as.

Informação sobre a elaboração do cusco(s): aqui.

Contamos com a presença de todos/as para valorizar este ofício tradicional e as corajosas mulheres que têm, até hoje, sabido defendê-lo!

PROGRAMA

28 de Junho, Sábado
09h30 - Apresentação do cusco(s) e as suas etapas de confecção. Início da oficina do cusco(s);
13h00 - Almoço;
14h00 - Continuação dos trabalhos;
20h00 - Jantar convívio;
21h00 - Projecção de filme.

29 de Junho, Domingo
10h00 - Cozinha experimental: confecção de pratos com cusco(s);
13h00 - Almoço campestre na praia fluvial de Fresulfe;
14h30 - Passeio pedestre;
17h00 - Encerramento da actividade.

FORMADORA: Maria Fernanda Afonso.
APOIO: União de Freguesias de Soeira, Fresulfe e Mofreita.

Para apoiar a realização desta actividade de dois dias e os custos logísticos a ela associados, pedimos o donativo de 15 "Cuscos" para sócios/as e para não sócios/as o donativo de 20 "Cuscos". Para ambos os casos encontra-se incluído o almoço do domingo, com pratos associados ao cusco.

Inscrições e mais informações
Tel.: (351) 939 719 710
e-mail: associacaotarabelo@gmail.com  

Festivais de Folclore, Feiras, Festas, Romarias, Feriados Municipais, Datas Comemorativas, Calendário Agrícola e Provérbios sobre o mês de Junho


Sobre este mês de Junho, “mêsdos Santos Populares”, o Portal do Folclore Português divulga inúmeras informações sobre diversos temas.

Vamos tentar sistematizar, de forma simples, e para que todos possam aceder aos assuntos que mais lhes interessam, esses mesmos temas:

1.- Festivais de Folclore
Os Festivais de Folclore, independentemente da designação formal que possam assumir (Encontros, Mostras, Galas, Certames, Festas, etc.), são, essencialmente, manifestações públicas de arte tradicional popular, onde os Grupos participantes têm oportunidade de mostrar a todos os presentes as danças, cantares e instrumentos musicais, os trajes e adereços, assim como os usos, costumes e tradições características das respectivas regiões.

Conheça alguns dos Festivais de Folclore, que se vão realizar neste mês de Junho!

2.- Feiras
Anualmente, todos os meses ou com outra periodicidade, realizam-se, de Norte a Sul de Portugal Continental e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, inúmeras Feiras e outras iniciativas dedicadas a temas diversificados, com destaque para o Artesanato, a Gastronomia – onde se incluem os Festivais ou Semanas Gastronómicas, etc -, os Produtos Regionais e Locais (Fumeiro e Enchidos, Doçaria, Vinhos, Azeite, Mel, Cerejas, Castanhas, etc.), sem esquecer as Feiras Medievais ou as Feiras Históricas

Algumas das Feiras que se realizam no mês de Junho

3.- Festas e Romarias
As Festas e Romarias são um traço típico da cultura popular e tradicional do nosso povo. Estas manifestações, extremamente numerosas e variadas, acontecem um pouco por todo o país, e fazem parte das tradições e memórias de um povo que luta para manter actual a cultura secular que lhe confere uma identidade muito própria.  

As Romarias são festas em honra de um santo patrono, que incluem simultaneamente duas dimensões que, mais do que se oporem, se complementam: a dimensão religiosa, com os seus aspectos mais característicos: o cumprimento das promessas individuais ao santo, a missa com o sermão solene e a procissão, e a dimensão profana, para a qual contribuem a feira (de gado e não só), com as características barracas de venda de artigos variados, de “comes e bebes”, assim como as diversões, a música e os bailaricos.

4.- Feriados Municipais
Actualmente, Portugal é constituído por 308 concelhos, alguns mais antigos do que o próprio país. Cada sede de concelho, seja vila ou cidade, celebra, anualmente, uma festa, normalmente relacionada com uma data ou facto da respectiva história: é o Feriado Municipal.

5.- Datas comemorativas em Junho.

6.- Conheça alguns Provérbios sobre o mês de Junho.

7.- Saiba o que recomenda o Calendário Agrícola sobre o que pode ou deve fazer neste mês de Junho, na horta, no pomar, no campo, no jardim, na vinha, na adega, com os animais...

São João bracarense, visto de outras janelas. Testemunhos e reflexões comparativas


etnomusicólogo José Sardinha
O etnomusicólogo José Sardinha, conselheiro da Fundação INATEL e do Comité Internacional organizador de Festivais de Folclore (CIOFF/UNESCO), uma referência a nível nacional e internacional, na área da música de matriz popular tradicional portuguesa e demais tradições etnográficas, foi um dos quatro convidados da 74ª edição dos "Serões no Burgo/Tertúlias Rusgueiras", que teve como tema, "São João bracarense, visto de outras janelas. Testemunhos e reflexões comparativas", e que se realizou no dia passado dia 6 de Junho, pelas 21h:30, na sede social da Rusga de São Vicente de Braga, sita na Av. Artur Soares (Palhotas), nº 73 - Braga.

Desde 1998, que este investigador, com o maior arquivo sonoro ao nível do trabalho de 'Levantamento/Recolha' nacional, tem rumado até Braga, por ocasião dos festejos Sanjoaninos, tendo em vista proceder a um estudo comparativo por via dupla. Por um lado, observar e analisar, na linha do tempo, os referidos festejos e, por outro, proceder a um estudo comparativo, face a outras festas e/ou romarias, enquanto festividades de natureza concelhia.

Para além daquele investigador, o painel de convidados contou ainda com a participação de Laurinda Figueiras, Presidente da Ronda Típica da Meadela, Viana do Castelo, grupo este que, tem participado activa e entusiasticamente na 'Rusga do século XXI', de Carlos Alves Rêgo, da Cooperativa A Oficina CIPRL, Guimarães, e ex-dirigente associativo e Alberto Rêgo, Presidente do Grupo Etnográfico da Areosa, Viana, membro da Associação VIANA FESTAS e também, conselheiro CIOFF/UNESCO.
Tal como vem sendo habitual, a moderação da seranzada foi da responsabilidade de José Pinto, presidente da Rusga. 

Os três momentos artísticos que o alinhamento dos Serões/Tertúlias contemplam, foram da responsabilidade das Rusgas de São Vicente de Braga (séculos XX e XXI).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...