Qual é a origem da palavra folclore?

O termo folclore é aceite internacionalmente desde 1878, e apareceu escrito, pela primeira vez, na revista The Athenaeum, há cerca de 150 anos.

O arqueólogo inglês William John Thoms, no dia 22 de Agosto de 1846, publicou uma carta no jornal O Ateneu, de Londres, mostrando a necessidade da existência de um vocábulo destinado a denominar o estudo das tradições populares inglesas.

O autor sugeria a junção das palavras folk (povo) e lore (sabedoria) para designar tal ocupação.

Quer saber como se escreve a palavra "folclore" em Grego ou em Russo? >>>>>

Autenticidade na representação etnográfica: é urgente e precisa-se!

O Pe. Luís Morais Coutinho escreveu, no seu livro intitulado “Subsídios Históricos e Etnográficos do Alto Douro” (1995), a propósito das “Danças Etnográficas Durienses”, o seguinte:

«A dança etnográfica é vida. E vida sem gesto é maneta e perneta.

A Etnografia, em termos de dança, é traje, música, ritmo e gesto. (...)

A dança quando etnograficamente verdadeira é um palco de vida.

Gostaria de referir as belíssimas danças durienses com o bater dos pés a lembrar a “pousa” e a subida aos socalcos e com o gesto largo e balanceado do homem das redes e do rio. (...)

Ao falar da dança etnográfica alto-duriense devo dizer que ela não escapa à destruição que por aí campeia como praga ou epidemia.

Grupos que se atribuem de Ranchos Folclóricos e nós não vemos de onde é o folclore. O traje, a música, o ritmo e o gesto não dizem de onde são ou até dizem que não são.

Certos responsáveis chegam ao cúmulo de arranjarem letras e músicas de sua lavra. (...)

Dentro de alguns anos, os etnólogos vão ter tremendas dificuldades em separar o que é bom do que cheira mal...

Haja muito folclore, mas do verdadeiro! Que possamos ver no traje, na música, no ritmo e gesto a história do nosso povo! Que possamos ver as nossas raízes, afinal!»

Lembrei-me deste texto quando li o artigo de opinião escrito pelo Dr. Carlos Gomes «Existem Grupos de Folclore que "representam" o século XX quando afirmam representar o Folclore do final do século XIX».

Em determinado momento, ele escreve: « O traje adquiriu novas formas por vezes mais estilizadas e perderam o aspecto sóbrio que originalmente o caracterizava. Passou a incluir botões e outros acessórios de plástico de invenção recente e as saias tornaram-se mais curtas e rodadas de modo a permitir observar a intimidade das moças, algo que seria impensável nos finais do século XIX. Introduziram toda a sorte de fantasias no vestuário e, quase sempre, o calçado é de fabrico actual. O chapéu braguês cedeu o lugar ao chapéu à toureiro e as mulheres da Nazaré passaram a vestir mais saias do que as que antes usavam. Tempos houve que as mulheres usavam franjinha e cabelos curtos e os homens sapatos de verniz. As músicas nem sempre são as originais mas arranjos feitos ao gosto popular ao tempo do Estado Novo. E as coreografias frequentemente são inventadas quase ao jeito do teatro de revista. A tal ponto que a mulher algarvia outrora recatada passou da dançar o corridinho de forma assaz atrevida, engalfinhada no seu par

Ontem como hoje, felizmente, continua a haver pessoas preocupadas com a autenticidade da representação folclórica, para bem das raízes culturais do nosso povo, no respeito pelos nossos antepassados e pelas gerações vindouras.

Infelizmente somos poucos – embora cada vez mais - os que ainda pugnamos ser necessária essa autenticidade, mesmo que em prejuízo de um certo “espectáculo” para turista ver em alguma sala de um qualquer hotel, de Norte a Sul de Portugal.


Mas, como diz o provérbio: “Grão a grão, enche a galinha o papo.”

José Pinto
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...